Salte para o conteúdo principal
Voltar aos blogues

Perspectivas do sector

Gateway Web antigo vs Gateway Web de próxima geração: Compreender as principais diferenças

12 de junho de 2024

Por Mohammed Guermellou - Arquiteto de soluções, Skyhigh Security

Num cenário digital em constante evolução, a cibersegurança é uma preocupação fundamental para indivíduos e organizações. Com ameaças constantes à espera no ciberespaço, é crucial ter medidas robustas para proteger informações sensíveis e garantir um ambiente online seguro. Uma dessas medidas é a implementação de um gateway Web - uma solução de segurança que monitoriza e filtra o tráfego da Internet para detetar potenciais ameaças.

No entanto, nem todos os gateways da Web são criados da mesma forma. Recentemente, o mercado assistiu a uma transição das gateways Web antigas para uma nova geração conhecida como gateways Web de próxima geração. Essa mudança decorre da necessidade de se adaptar às ameaças e tecnologias digitais modernas. Nesta publicação do blogue, vamos explorar e destacar as principais diferenças entre os gateways da Web antigos e os gateways da Web de próxima geração.

Abordagem à deteção de ameaças

Os gateways Web antigos baseavam-se principalmente em técnicas de deteção baseadas em assinaturas. Identificavam ameaças com base em assinaturas ou padrões conhecidos, o que os tornava menos eficazes contra ameaças emergentes ou desconhecidas. Por outro lado, os gateways Web da próxima geração utilizam uma abordagem multicamada para a deteção de ameaças. Eles incorporam técnicas avançadas, como análise de comportamento, inteligência artificial e aprendizado de máquina para detetar e mitigar ameaças conhecidas e desconhecidas em tempo real.

Para além disso, Remote Browser Isolation (RBI) ajuda com a parte da ameaça. Remote browser isolation é um método que executa os navegadores Web num ambiente separado para se proteger contra ciberameaças. Normalmente, os navegadores numa máquina local são vulneráveis a malware e a violações de dados se um utilizador visitar um sítio prejudicial. Ao alojar os navegadores num servidor remoto, este risco é atenuado, uma vez que qualquer conteúdo perigoso é contido longe do dispositivo do utilizador.

Com o Web gateway integrado, o remote browser isolation oferece-lhe inúmeras vantagens:

  1. Segurança melhorada: Isola a navegação na Web dos dispositivos, bloqueando o código malicioso.
  2. Proteção contra ataques de dia zero: Mantém as ameaças não corrigidas à distância, graças a uma navegação controlada fora do local.
  3. Redução da superfície de ataque: Reduz os potenciais pontos de entrada para os hackers, separando o ambiente de navegação e a máquina local.

Em geral, o emparelhamento do remote browser isolation com o Web gateway resulta numa proteção robusta contra perigos baseados na Web, oferecendo uma navegação segura, impedindo novas ameaças, diminuindo as hipóteses de ataque, simplificando a supervisão e reforçando a utilização de sistemas legados.

Avançado Data Loss Prevention

Um componente crucial de uma tecnologia de próxima geração Secure Web Gateway (SWG) é a integração com capacidades avançadas de Data Loss Prevention (DLP) para proteger dados sensíveis em repouso, dados em utilização e dados em movimento. As organizações não têm visibilidade do local onde os seus dados sensíveis são armazenados, utilizados e partilhados na nuvem, e têm a necessidade de garantir que os dados estão em conformidade com os regulamentos.

O DLP expõe essas lacunas de visibilidade, fornecendo proteção de dados de escopo completo para a força de trabalho. E, ao aplicar políticas de acesso e DLP e encriptar dados na nuvem, as organizações mantêm-se em conformidade com regulamentos como FISMA, HIPAA, GLBA, PCI DSS e SOX.

Com a transformação digital, os utilizadores acedem a aplicações que se encontram na nuvem e necessitam de aceder aos dados independentemente do local onde se encontram. Isso significa que os dados já não estão todos armazenados dentro da rede em bases de dados e servidores locais dentro das redes empresariais. Com os dados a deslocarem-se para a nuvem e a necessidade de acesso alargado, torna-se mais difícil proteger estes dados sensíveis.

É aqui que as capacidades avançadas de DLP entram em ação. Combinando a Análise de Comportamento e Entidade do Utilizador (UEBA), o rastreio de conteúdos e as informações recolhidas dos processos de correio eletrónico, as capacidades avançadas de DLP melhoram a eficácia dos falsos positivos e impedem a partilha não autorizada de dados proprietários. Além disso, o DLP unificado dá às organizações a capacidade de definir classificações de dados apenas uma vez para proteger os dados na nuvem, em aplicações privadas, na Web e em terminais. Além disso, detecte acções intencionais e não intencionais que podem levar a violações da privacidade dos dados.

Granularidade e controlo de políticas

Os gateways da Web utilizam critérios de categoria e reputação de URL para tomar decisões sobre o bloqueio ou a permissão de um URL. Estes dois factores ajudam a garantir a segurança e a integridade da experiência de navegação dos utilizadores.

Os critérios de categoria referem-se às categorias ou grupos predefinidos que são atribuídos a diferentes tipos de sítios Web. Exemplos de tais categorias incluem redes sociais, notícias, entretenimento, compras, jogos, etc. Cada sítio Web é avaliado com base no seu conteúdo e objetivo e atribuído a uma ou mais categorias relevantes.

As gateways Web acedem a uma base de dados abrangente de URLs categorizados e comparam o URL solicitado com esta classificação. Se o URL solicitado se enquadrar numa categoria que seja considerada restrita ou proibida com base na política de uma organização, o gateway Web pode bloquear o acesso a esse URL específico.

A reputação do URL, por outro lado, diz respeito à reputação de um URL específico com base no seu comportamento e associações históricas. Os sítios Web podem receber pontuações de reputação que indicam a sua fiabilidade e segurança. Estas pontuações são determinadas através de vários factores, como a análise da idade do sítio Web, a localização do alojamento, a presença de malware, o envolvimento em actividades de phishing, etc. As pontuações de reputação elevadas são indicativas de sítios Web seguros e fiáveis, enquanto as pontuações de reputação baixas sugerem potenciais perigos.

A combinação de critérios de categoria e reputação de URL permite aos gateways da Web discernir eficazmente se um URL deve ser bloqueado ou permitido. No entanto, os utilizadores continuam vulneráveis a sítios Web prejudiciais, porque a categoria, por si só, não garante a proteção contra as ameaças modernas. Considere, por exemplo, dois sites, FakeA.com e FakeB.com, que se enquadram na categoria "Cloud Storage". Estes dois sites de armazenamento em nuvem partilham apenas a mesma categoria, mas nada mais. O FakeA está alojado nos EUA, com os seus dados em repouso encriptados, e partilha o seu IP com o fornecedor. Por outro lado, o FakeB está alojado na UE, os seus dados em repouso não são encriptados, está em conformidade com o RGPD e possui o seu IP público. Como podemos ver, na realidade, são completamente diferentes, e as implicações da utilização de um em detrimento do outro são significativas para a segurança e a política da organização. Estes conhecimentos provêm do Cloud Registry. Mas primeiro vamos perceber o que é a Shadow IT.

FakeA.com FakeB.com
Category Notícias gerais Notícias gerais
Data at rest Não encriptado Encriptado
Compliancy Ato de Nuvem RGPD
Intellectual property Propriedade do cliente Propriedade do prestador de serviços

"Shadow IT" refere-se à utilização de aplicações ou serviços Web não autorizados ou não aprovados dentro de uma organização. No contexto do tráfego Web, refere-se a funcionários que utilizam sítios Web, aplicações ou serviços na nuvem que não são oficialmente aprovados pelo departamento de TI da sua empresa ou pelas políticas de segurança da informação.

O Shadow IT ocorre quando os funcionários utilizam serviços Web externos sem a devida aprovação. Podem fazê-lo por várias razões, tais como resolver desafios específicos relacionados com o trabalho, aumentar a produtividade ou simplesmente porque consideram estes serviços mais convenientes ou eficientes. Exemplos de TI sombra no tráfego Web podem incluir funcionários que utilizam contas de correio eletrónico pessoais, plataformas de partilha de ficheiros ou ferramentas de gestão de projectos que não são oficialmente aprovadas pela organização.

A principal preocupação que é resolvida pelo Shadow IT são os potenciais riscos de segurança que apresenta. Ao utilizar serviços Web não autorizados, os funcionários podem, sem saber, expor os dados sensíveis da organização a vulnerabilidades, violações de dados ou ameaças cibernéticas. Normalmente, estes serviços não possuem as medidas de segurança robustas implementadas pelas ferramentas aprovadas pela organização, o que os torna um alvo fácil para ataques informáticos.

Outra vantagem da TI sombra é a obtenção de visibilidade, controlo e responsabilidade. As organizações dependem fortemente dos seus departamentos de TI para manter o controlo e a governação adequados sobre o tráfego Web, de modo a garantir a privacidade dos dados, a conformidade com os regulamentos e a segurança geral da informação. A TI sombra melhora estes esforços, uma vez que o departamento de TI está bem ciente dos serviços externos que estão a ser utilizados e pode monitorizar ou mitigar eficazmente os riscos associados.

Para responder a estes desafios, os gateways Web avançados utilizam a Shadow IT para monitorizar e identificar sítios Web em tempo real, de acordo com o conteúdo e a conformidade com a política. Quando é detectado um Web site não conforme, este é automaticamente bloqueado para manter os funcionários concentrados e em conformidade. A isto chama-se Remediação em circuito fechado. O Shadow IT inclui mais de 56 critérios que se dividem em 6 pilares. Detalhes de cada sítio Web sobre a forma como gerem os dados, a autenticação do utilizador e do dispositivo, o serviço de alojamento, o risco comercial, o risco legal e o risco cibernético.

Em resumo, a utilização de gateways da Web de próxima geração é uma estratégia eficaz para equilibrar a produtividade com a adesão à política neste mundo moderno da nuvem. Esta abordagem moderna evita distracções e protege contra ciberameaças, bloqueando o acesso a determinados sítios Web e impedindo a fuga de dados com base em mais de 56 critérios, em vez de apenas 2 critérios para gateways Web antigos.

Conclusão

As gateways Web tradicionais fornecem um controlo limitado sobre a utilização da Web, tratando todo o tráfego da mesma forma. As gateways Web da próxima geração oferecem um maior grau de granularidade e controlo de políticas. Permitem aos administradores definir e aplicar políticas baseadas na gestão de dados, tipo de negócio, autenticação de utilizadores e autenticação de dispositivos. Este controlo granular garante que o nível certo de acesso é concedido a cada utilizador, melhorando a segurança e a produtividade.

Em conclusão, a mudança de gateways Web antigos para gateways Web da próxima geração representa uma evolução nas práticas de cibersegurança. Embora as soluções antigas ofereçam um certo nível de proteção, ficam aquém quando confrontadas com o cenário digital em constante mudança.

Quando decide mudar de um gateway Web antigo para um gateway Web da próxima geração, por onde começa? Descubra como Skyhigh Security pode ajudá-lo a modernizar a sua infraestrutura de segurança e a adotar uma abordagem avançada à deteção de ameaças.

Voltar aos blogues

Conteúdo relacionado

Miniatura de notícias
Segurança na nuvem

A vantagem do contexto do proxy de cliente Skyhigh

Jeff Ebeling - 9 de julho de 2024

Miniatura de notícias
Perspectivas do sector

Revolucione a sua investigação com IA

Cleo McMichael - 28 de junho de 2024

Blogues recentes

Segurança na nuvem

A vantagem do contexto do proxy de cliente Skyhigh

Jeff Ebeling - 9 de julho de 2024

Perspectivas do sector

Revolucione a sua investigação com IA

Cleo McMichael - 28 de junho de 2024

Perspectivas do sector

Gateway Web antigo vs Gateway Web de próxima geração: Compreender as principais diferenças

Mohammed Guermellou - 12 de junho de 2024

Perspectivas do sector

Empresa de telecomunicações substitui VPN tradicional por Skyhigh Private Access

América Garcia - 6 de junho de 2024